28 coisas que aprendi aos 28 anos

01. Amigos valem mais do que um namorado – e trocar os amigos pelo boy não te faz uma pessoa feliz.

02. Viajar é preciso – e é uma das coisas que eu mais amo fazer.

03. Aproveitar, mesmo – jamais deixar de viver o que você deseja por causa de alguém. As oportunidades podem não se repetir, mas o arrependimento por não aproveitá-las te acompanha!

04. Desapegar é preciso – nem tudo que existe eu preciso ter e nem tudo que eu tenho me faz feliz, então é preciso abrir espaço! Era cheia de tranqueiras e coisas guardadas por que ganhei, por que comprei quando vi e achei bonito, mas só acumulava… Hoje sou bem menos apegada. A coisas e pessoas.

05. Poucos e bons: meus amigos – existem pessoas. Muitas. Mas isso não quer dizer que você precisar ser amiga de todos. Amigos mesmo, são poucos. O importante é a qualidade do encontro, do estar junto.

06. Timidez demais só atrapalha – em tudo!

07. Nem todo mundo é “igual” – e o fato de eu saber ou gostar de algo, não faz do mundo seguidor da minha opinião.

08. As expectativas são minhas – e os outros não tem obrigação nenhuma de corresponder a elas.

09. Amor tem que vir de si mesmo primeiro – nada de amar quem quer que seja mais do que a mim mesma!

10. A energia que você “emite” é a mesma que você vai receber.

11. Eu mereço ser feliz – porque eu sou o que tenho de melhor!

12. Eu me basto – Não dá pra abrir mão de tudo que eu quero ou gosto só porque alguém não quer ou gosta também. Deixava de fazer tanta coisa por não ter alguém para fazer comigo! Eu deveria me bastar nesses momentos, né? Então passei a fazer muitas coisas sozinha porque eu queria, simples.

13. Não preciso de 8h – a gente acostuma a ver que precisa de 8h por noite de sono, mas eu não me encaixo nessa turma. As vezes são 6h, as vezes são 7h. E tudo bem!

14. Ter um guarda roupas a minha cara – mesmo que isso signifique estar fora da moda atual. Não ligo 😛

15. Tudo tem seu tempo – não importa a minha pressa.

16. Não é preciso dizer tudo – tem coisa que não vale a pena e a força do que você pronuncia é grande.

17. Sushi cura qualquer dor, mágoa, angústia e ansiedade ❤

18. Aprendi um pouco de inglês, consigo inclusive entender algumas músicas sem precisar ler a tradução rs. Mas ainda preciso de muito esforço para dominar viu…

19. Nenhum lugar é mais aconchegante quando meu quarto!

20. Saber não dar opinião, para tudo, sempre, é uma das melhores qualidades que alguém pode ter.

21. Tem coisas que a gente não tem que contar pra ninguém, a gente precisa guardar no coração.

22.

 

Anúncios

Vou casar!!!

Oficialmente esta é a primeira vez que falo sobre este assunto. Ainda estou digerindo os sentimentos que tomaram conta desde o ultimo dia 11/junho. Um dos meus maiores sonhos sempre foi de encontrar alguém que me fizesse feliz e com quem eu poderia dividir meus planos, meus outros sonhos, minha vida. Mais do que casar, inclusive. Mas isto não quer dizer que casar não era meu sonho.

Will e eu já falávamos sobre casamento há um tempo. Nosso relacionamento começou a distancia, mantem-se assim até o momento e por mais que seja um relacionamento completamente diferente de todos os outros que já tive, também traz um acumulo de “dificuldades” não tão fáceis de lidar por estarmos a 2000 km longe um do outro. Mesmo nosso relacionamento sendo muito saudável e termos consciência de que esta dificuldade nos traz muito amadurecimento, ainda assim a distancia as vezes pesa e cansa, então o casamento virou pauta das nossas conversas há mais ou menos 1 ano, porem ainda não de forma tão séria. Continuar lendo Vou casar!!!

#150DiasSemComprar: Como foi o projeto

No primeiro dia de janeiro deste ano resolvi que iria fazer o ano ser bem diferente do que foi o último. Em linhas gerais, 2015 foi um dos piores anos da minha vida e as coisas boas que aconteceram somem quando penso em tudo de ruim/chato/exaustivo/decepcionante aconteceu na minha vida. Já falei disto, não vou me estender mais sobre…

De fato, meus objetivos estavam bem mais claros e esse projeto de ficar os 150 primeiros dias do ano sem comprar me pareceu ser algo que beirava o absurdo. Eu, compulsiva, pararia de usar cartão de créditos, pararia de sair ou passear sem abrir a carteira? COMASSIM?

Não seria legal, não faria sentido se não fosse desafiante. Continuar lendo #150DiasSemComprar: Como foi o projeto

#ErreJota – Coldplay A Head Full of Dreams

Domingo, 10 de abril

Dia marcante, histórico e com poder de fazer os olhos marejarem pela lembrança.

Que dia incrível! Que dia esperado!

Como disse no primeiro post desta viagem *clica aqui*, fomos ao RJ (João, Mona e eu) com um objetivo específico: Show do Coldplay. Há 5 anos a banda não vinha ao Brasil e quando anunciaram, ano passado, que a turnê A Head full of dreams viriam com dois shows, um em SP e outro no RJ, enlouquecemos e nos enchemos de planos e sonhos sobre este dia foi mágico! Continuar lendo #ErreJota – Coldplay A Head Full of Dreams

#ErreJota – Continua lindo, continua sendo…

Ah, Rio de Janeiro. Não é segredo que a cidade não é maravilhosa apenas na música para mim. Toda viagem para la acaba sendo bastante especial, um momento de descoberta – de lugares, de formas, de jeitos, de ser… – e há duas semanas embarquei para realização de um sonho. Literalmente. Continuar lendo #ErreJota – Continua lindo, continua sendo…

Meados de março

Andei pensando sobre aquele projeto que comentei aqui, de passar 150 dias sem comprar. Chegamos na metade dele, já que hoje fazem 75 dias que tenho seguido esta nova rotina, essa nova forma de pensar o mundo consumista e as minhas atitudes tem me surpreendido até. Acho justo falar sobre como tem sido até aqui. Continuar lendo Meados de março

Antes dos trinta

d98955935d4a5fd41fdc61708be58e28

Em 2016 eu vou fazer 28 anos. Vinte e oito!!!

Fico até assustada com esse número, porque eu não me vejo com essa idade. Não sei se as pessoas tem “cara da idade” que tem, mas definitivamente eu não estou hoje como achei que estaria! As vezes eu preciso fazer mentalmente a conta para ver se não estou errando [ 2016 – 1988 = isso mesmo ]. Continuar lendo Antes dos trinta